Revisão: A deliciosa comédia de relacionamento 'Drinking Buddies', estrelada por Anna Kendrick e Olivia Wilde, marca alta na carreira de Joe Swanberg

Em oito anos de reportagens, Joe Swanberg desenvolveu um corpo substancial de obras menores, mas 'Drinking Buddies' prova que ele tinha uma direção. Os perfis descaradamente descarados de Swanberg tendem a se concentrar nas pessoas perpetuamente deselegantes em busca de significado em suas vidas, pois muitas vezes lutam para encontrar satisfação romântica. 'Drinking Buddies' não é exceção, mas com seus valores de produção mais firmes e performances uniformemente fortes, ele continua a abordagem observacional do diretor e aprimora os ingredientes mais promissores encontrados em toda a filmografia.



Embora ostensivamente seja uma narrativa pequena e despretensiosa, 'Drinking Buddies' ainda está afetando onde é importante. Embora a maioria dos recursos anteriores de Swanberg chegue a esboços, o mais recente é uma conquista encorpada. Assim como os irmãos Duplass atraíram talentos de nome ao seu estilo improvisador com seu primeiro trabalho de estúdio 'Cyrus', com 'Drinking Buddies', Swanberg conquistou um grupo de rostos reconhecíveis: Olivia Wilde, como gerente de cervejaria artesanal, Kate, se destaca pela metade um relacionamento supostamente platônico com seu colega de trabalho Luke (Jake Johnson), mas é evidente desde o início que a sugestão de atração entre eles enfrenta um grande obstáculo: ambos estão romanticamente ligados a outros lugares.

Luke leva uma vida tranquila com a curiosamente insegura Jill (Anna Kendrick), enquanto a despreocupada Kate mantém um relacionamento menos sério com o afável Chris (Ron Livingston). Este quarteto forma a maior parte do filme em todo o seu constrangimento digno de contorção, à medida que as atrações compartilhadas por vários personagens mudam e continuamos esperando que as coisas desmoronem.



Em vez disso, mais fiel à vida do que qualquer reviravolta dramática forçada, a progressão de 'Drinking Buddies' sugere desejos ocultos, tornando ambíguo qual direção as coisas seguirão. Quando uma viagem noturna à praia que os casais tratam como um passeio inócuo naturalmente dá errado, torna-se o primeiro de muitos incidentes que informam sua dinâmica complexa. Swanberg, que também escreveu e editou o filme por tradição, imbui os procedimentos com um fluxo divertido e cômico, rico em deslizes verbais, insinuações e constante frustração romântica.



Em uma linha descartável, um personagem diz em resposta a um espirituoso de lado: “Eu acho que isso deve ser irônico, mas não tenho mais certeza.” Essa é a essência do apelo que mantém “Drinking Buddies” discretos e envolventes Swanberg aproveita a experiência de não saber quando as trocas são sinceras, de brincadeira, ou simplesmente alguns meios codificados de expressar o inexprimível. A confusão resultante cria uma forma infecciosa de humor que penetra por toda parte e conduz bem às explosões inesperadas de emoção nas cenas finais.

Ajuda que “Amigos da bebida” nunca se distraia desses pontos fortes com indulgências estilísticas manifestas. Tecnicamente, o filme tem pouca semelhança com o trabalho anterior de Swanberg, muito do qual ele se matou. Aqui, trabalhando com o diretor de fotografia Ben Richardson - recém-filmado 'Beasts of the Southern Wild' - junto com o supervisor de música Kris Swanson, cuja seleção de suaves melodias pop empresta uma atmosfera agradável, Swanberg oferece uma narrativa iminentemente assistível que é certamente a mais acessível. Por sua conclusão, 'Drinking Buddies' é notavelmente leve - mas também traz clareza a seus outros filmes, todos focados em pessoas com incapacidade de se comunicar sem obscurecer o que realmente querem dizer. Em 'Drinking Buddies', eles ainda não dizem isso, mas o enigma é visivelmente mais distinto.

Muito disso tem a ver com o elenco. No caso de Swanberg, trabalhar com nomes maiores não significava vender; em vez disso, proporcionou-lhe uma gama mais complexa de talentos. Entre eles, Wilde apresenta seu desempenho mais assertivo até o momento, interpretando uma personalidade espirituosa e enérgica cuja tendência a absorver o último lote da cervejaria e criar problemas marca a personagem feminina mais forte do universo Swanberg (Swanverse?) Desde 'Hannah Takes the Stairs'. No outro extremo do espectro, a frágil virada de Kendrick mostra sua capacidade de papéis íntimos e discretos, muito diferentes dos tipos exagerados e tagarelas que ela costuma interpretar. Livingston, no entanto, assume o maior desafio do filme, brincando constantemente com nossas simpatias: conforme as tensões aumentam entre Kate e Chris, nunca fica claro até o fim se ele é o instigador ou a vítima.

Com essa e outras perguntas referentes aos motivos de seu personagem, Swanberg mostra mais uma vez a capacidade de capturar pequenos momentos que existem fora da direção do enredo. Ao mesmo tempo, os fragmentos efetivos de 'Drinking Buddies' levam sua obra a uma nova direção, acumulando-se em um quadro geral.

Grau crítico: A-

COMO VAI JOGAR? Bem recebido no circuito do festival, 'Drinking Buddies' chega a várias plataformas de cabo VOD amanhã pela Magnolia Pictures. Deve funcionar bem em plataformas digitais devido a uma combinação de estrela e gênero. Ele abre nos cinemas no final de agosto.



Principais Artigos