Revisão de Veneza: a Coréia do Sul recebe uma crítica firme (assim como o mundo) em 'One on One' de Kim Ki-Duk

Em 2012, Kim Ki-Duk recebeu o prêmio principal no Festival de Veneza por 'Pieta', uma história brutal de estupro e redenção. No ano passado, ele desembarcou no Lido com o filme 'Moebius', sem diálogos, mais conhecido como 'aquele filme de castração'. Seu novo filme, 'One on One', parece leve em comparação, apesar do pré-crédito A sequência apresenta uma estudante sendo sequestrada e morta por um grupo de estranhos não identificados. O suspense de vingança por assassinato ainda não é para os fracos de coração, mas desta vez o diretor sul-coreano parece mais interessado em dar um discurso sobre o estado da nação do que em adicionar ao seu repertório de cenas chocantes.



Após a rolagem dos créditos, encontramos Oh-hyun (Kim Young-min, o jovem monge da entrada de Kim em Veneza em 2003 'Primavera Verão, Outono, Inverno ... e Primavera'). Ele sai para um encontro com uma garota, que brinca dizendo que, apesar de suas inúmeras manobras recentes, ela ainda não tem idéia do que é o trabalho dele. Ele é algum tipo de policial que vai descobrir o assassinato? Mas ele parece brutal demais para ser um cara legal, ele é franco e duro com seu encontro, e sua personalidade misteriosa é ameaçadora e não romântica. Não somos os mais sábios quando ele consegue impedir que um copo de vinho seja derramado com reflexos do tipo Bruce Lee. A garota está impressionada o suficiente para deixar Oh-hyun levá-la para casa antes de repreender seus avanços amorosos. Sua noite vai de mal a pior quando ele é sequestrado por um grupo de oficiais armados.

Esses aspirantes a Rambos gritam 'Derrote o Comunismo' como uma saudação, servindo como um lembrete severo de que a Coréia do Sul está em pé de guerra permanente. Parecendo honchos aprovados pelo Estado, eles questionam Oh-hyun, torturando-o por informações, antes de chegarmos à questão, o grupo está obcecado em descobrir qual foi exatamente o seu envolvimento no sequestro de 9 de maio. Eles exigem que ele escreva um relatório sobre sua atividade daquele dia antes de jogá-lo na rua. Apesar da confusão, Kim ainda deixa perguntas sem resposta sobre quem é Oh-hyun, por que a garota foi morta e quem são seus cúmplices.



O grupo começa a seqüestrar homens aleatórios que suspeitam estar envolvidos no assassinato de 9 de maio. Como eles conseguiram essas informações não é claro - e é aqui que o drama de Kim se torna repetitivo. A intenção parece ser manter o público no escuro quanto à motivação de ambos os grupos como um meio de aumentar a tensão, mas as cenas de seqüestro são muito brandas para criar suspense, e não ajuda que a câmera digital funcione é plano, fato acentuado por todas as cenas que acontecem à noite.



Apesar do tédio das cenas de tortura, Kim mantém as coisas interessantes, dando informações antes que o esquadrão de vingança chegue. Há o suspeito com a esposa grávida que não gosta de fazer nada contra a vontade dele. O homem que acredita que pode abusar da namorada dando-lhe dinheiro depois de suas discrepâncias. O que emerge é uma imagem em que ambos os lados têm mocinhos e bandidos, fraudes e homens de pé. Às vezes, o argumento sobre a corrupção do poder é feito com a franqueza de uma faca de castração. (Uma mulher abusada declara: 'Os ditadores não são apenas para os Estados'.) É uma tentativa fraca de incorporar a ideia de ser político.

Como é frequentemente o caso, são as personagens femininas que são os pontos cegos de Kim, é tudo muito óbvio quando é uma mulher que deixa o esquadrão de vingança quando as ações de sua líder vão longe demais.

A grande idéia que se torna o ponto focal das divagações de Kim é se a defesa de ser um soldado seguindo ordens é justificada. Através de um personagem que vê eventos mundiais na internet, fica claro que Kim não está apenas preocupado com a tumultuada fronteira coreana, mas também com intervenções no Oriente Médio. No entanto, depois de toda a corda bamba em antecipação das duas rodadas finais, quando o diretor se move para desenvolver um nocaute, ele continua escovando o alvo, bêbado demais para dar um nocaute.

Kim faz uma tentativa estúpida de filosofar sobre o porquê do desenvolvimento humano requer criminal e guerra, e que o assassinato de crianças é frequentemente visto como dano colateral simplesmente porque os fins justificam os meios. A tentativa de manter uma certa estrutura social está destinada a ter vítimas pesadas. A ira primária do diretor está voltada para o sistema capitalista que ele vê como quebrado. Mas a mensagem, expressa nas convenções de um thriller, muitas vezes erra o alvo. Por fim, Kim acaba sendo vítima de sua própria ambição.

Nota: C +

'One on One' estreou nesta semana no Festival de Veneza. Atualmente, não possui distribuição nos EUA.



Principais Artigos